Justiça Federal determina segundo afastamento de ex-presidente do TRT-BA; ela é ré na Operação Injusta Causa

Maria Adna Aguiar — Créditos: Divulgação / TRT5-BA

A desembargadora Maria Adna Aguiar, ex-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA), foi afastada pela segunda vez das funções. A desembargadora responde a uma ação civil de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal (MPF). Ela também é ré em uma ação penal por vendas de sentenças, investigada na Operação Injusta Causa.

Segundo o TRT5-BA, o afastamento foi determinado pelo juiz da 10ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária da Bahia, Evandro Reimão dos Reis, nos autos da ação civil de improbidade administrativa. A medida é válida por 180 dias.

Por causa da decisão, o vice-presidente do TRT-BA, desembargador Jeferson Muricy, convocou a titular da 2ª Vara do Trabalho de Itabuna, juíza Eloína Machado, para substituir no a desembargadora, a partir desta sexta-feira (22). A convocação tem validade até o término do afastamento.

A primeira vez que Maria Adna Aguiar foi afastada aconteceu em 11 de dezembro de 2020. Na ocasião, a Justiça Federal também determinou o afastamento dos magistrados Esequias Oliveira, Norberto Frerichs, Graça Boness e Pires Ribeiro.

Operação Injusta Causa

A Operação Injusta Causa foi deflagrada pela Polícia Federal, em setembro de 2019, quando agentes cumpriram mandados de busca e apreensão em gabinetes dos desembargadores com o objetivo de desarticular um esquema de venda de decisões judiciais e tráfico de influência na Bahia.

O grupo também foi julgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que determinou o afastamento deles no mesmo mês. Entretanto, os cinco desembargadores voltaram às atividades em maio de 2020, após determinação do órgão. A medida foi reavaliada em dezembro do ano passado.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − quatro =