Connect with us

Cenário Político

Eduardo Cunha contrata advogado de delatores e deixa Brasília em alerta

Avatar De Chicosabetudo

Publicado

em

O alerta amarelo ficou vermelho nos corredores do poder em Brasília. Um dia após ser preso por tempo indeterminado, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) deu ontem sinais evidentes de que quer abrir a boca e contar para a força-tarefa da Lava Jato tudo que sabe sobre os esquemas de corrupção. A eventual delação premiada do peemedebista agitou ainda mais a cúpula do Planalto e elevou  de vez a tensão entre políticos ligados a ele.

O principal indício de que pretende entrar no clube de delatores surgiu no início da tarde, horas após o ex-presidente da Câmara deixar o IML de Curitiba sob forte presença dos jornalistas e escolta de policiais federais. “É um absurdo”, disse Cunha, ao ser questionado sobre sua prisão. Em seguida, a imprensa revelou que o peemedebista havia contratado o advogado Marlus Arns, responsável por acordos de delação de empresários investigados pela Lava Jato. 

Ao deixar a sede da Polícia Federal na capital paranaense, onde teve o primeiro encontro com o deputado cassado, o criminalista especializado em colaborações premiadas afirmou que delação premiada “não foi tema de conversa” entre ambos. Por regra, acordos deste tipo são negociados inicialmente em sigilo. 

Mas a presença do advogado em Curitiba deu mais força às especulações sobre o interesse de Cunha em arrastar outros figurões para o olho do tornado político. Foi Arns quem costurou os acordos dos executivos Dalton Avancini, Eduardo Leite e Paulo Augusto Santos, da Camargo Corrêa.

Costurou ainda a delação  do empresário João Bernardi Filho e fez a defesa técnica de Ivan Vernon, que era assessor do ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), de Valério Neves, ligado ao ex-senador Gim Argello (PTB-DF), e de João Cláudio Genu, um dos operadores com cargo no PP.

Pistas

Antes de contratar o advogado, que também defende sua mulher, Cláudia Cruz, Cunha já havia sinalizado que não cairia sozinho. Após ser abandonado pelos aliados e de receber apenas dez votos contra sua cassação, o peemedebista começou a atirar. O primeiro alvo foi o secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Moreira Franco, homem forte do PMDB e do núcleo-duro do governo Michel Temer. 

Em conversas com aliados, Cunha deixou claro que tinha intenção de “explodir o Moreira”. Sobretudo, no que diz saber sobre a participação do correligionário em irregularidades na operação com a Caixa para financiar obras do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro. O peemedebista atribui ao aliado a vitória do genro, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à presidência da Câmara, fato que acelerou sua queda.   

Cunha também passou as últimas semanas armazenando munição contra aliados: agendas de compromissos públicos e privados, doações que levantou para o PMDB e as transações trianguladas com o operador e doleiro Lúcio Bolonha Funaro, preso em julho pela Lava Jato. O próprio Furano tem arquivos idênticos e deu recados de que pretende entregá-los. 

Tudo isso, a princípio, tinha como objetivo seu livro sobre os bastidores do impeachment. Agora, podem ter outro objetivo. Às vésperas de entrar na carceragem, Cunha enviou recados de que vai  abrir o jogo. Para isso, pretende revelar detalhes sobre o uso político das MPs para favorecer empresários. Em especial, os esquemas nos setores de portos e de telefonia. 

Ao mesmo tempo, quer desnudar o suposto envolvimento de ministros, senadores e deputados do PMDB, PSD, PR e demais siglas que integravam o chamado centrão. Internamente, o Planalto teme os efeitos das revelações de Cunha sobre a governabilidade e a solidez do governo. Ontem, o dia do presidente Michel Temer foi de despachos internos, na tentativa de evitar que a crise chegue a seu gabinete. 

Mais Lidas