Connect with us

Polícia e investigação

Cliente proibido de usar notebook em padaria enfrenta acusações de fraude em criptomoedas

Após ser expulso de padaria por usar notebook, homem é detido sob suspeita de participar de esquema fraudulento com criptomoedas.

Avatar De Redação Portal Chicosabetudo

Publicado

em

No dia 31 de janeiro, uma ocorrência policial foi registrada em uma padaria em Barueri, Grande São Paulo, envolvendo o proprietário do estabelecimento, Silvio Mazzafiori, de 65 anos, e um cliente, Alan Deivid de Barros. O conflito iniciou-se devido ao uso de um notebook por Barros no local, contrariando as regras da padaria que proíbem o uso de equipamentos eletrônicos para não ocupar espaço de outros clientes, conforme informado por avisos no estabelecimento. A discussão entre os dois acabou levando-os à Delegacia de Barueri, onde Barros registrou uma notícia crime por ameaça contra Mazzafiori.

Em um desenvolvimento subsequente, quase dois meses após o incidente, Alan Deivid de Barros foi preso em Curitiba, Paraná, como parte da Operação Fast conduzida pela Polícia Federal. A operação visa desmantelar uma associação criminosa envolvida em fraudes com criptomoedas e Tokens Não Fungíveis (NFTs), com atividades fraudulentas principalmente baseadas em Balneário Camboriú, Santa Catarina. Durante a operação, foram emitidos dois mandados de prisão e seis de busca e apreensão em diferentes cidades, além do sequestro e bloqueio de bens de indivíduos e empresas relacionados à investigação, incluindo Barros e sua empresa, Unimetaverso Gestão de Ativos Digitais e Marketing Ltda.

A investigação da PF aponta que a organização criminosa criou e promoveu uma criptomoeda com alegações de alto retorno financeiro, baseadas em supostas parcerias empresariais, que acabaram por vitimizar aproximadamente 22 mil pessoas no Brasil e no exterior, gerando um prejuízo estimado em cerca de R$ 100 milhões. Os envolvidos enfrentarão acusações de crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Leonardo Bueno Dechatnik, advogado de Barros, defendeu seu cliente e a empresa, alegando que nunca foram processados por investidores e contestou as acusações da PF, considerando as prisões desproporcionais, visto que o caso não envolve violência nem ameaça grave. A defesa reitera que as acusações baseiam-se em suposições sem comprovação efetiva e enfatiza a colaboração com as investigações, buscando esclarecer os fatos e demonstrar a inocência de Barros.

“Refutamos categoricamente a alegação de que nosso cliente tenha subtraído a quantia de R$ 100.000.000,00 ou que tenha prejudicado entre 5.000 a 22 mil pessoas. Esses números, mencionados no relatório policial, são baseados em suposições da autoridade policial, sem comprovação efetiva. Até o momento, somente um número ínfimo dessas supostas vítimas efetuou denúncias formalmente, sendo a maior parte destas ex-colaboradores e concorrentes no setor empresarial.”

Mais Lidas