Feira de Santana: 9 dos 21 vereadores testam positivo para covid-19

Câmara de Vereadores de Feira de Santana -Créditos: Facebook

Um novo surto de casos do novo coronavírus acomete a Câmara de Vereadores de Feira de Santana, cidade a 100 quilômetros de Salvador. Após nove servidores terem testado positivo para a covid-19 no final de fevereiro, o que fez as atividades ficarem suspensas por 15 dias, agora nove dos 21 vereadores da casa foram diagnosticados com a doença.

Além deles, foram testados ao todo 40 pessoas – 21 vereadores, oito funcionários e 11 profissionais de imprensa. Segundo o diretor geral da Câmara, Fábio Lucena, 50% dos testes deu positivo. Entre eles, o próprio presidente da casa, Fernando Torres.

Como o teste realizado foi o sorológico, a diretoria do órgão submeteu todos os funcionários e vereadores que tiveram resultado positivo a um novo exame, agora o RT-PCR, considerado padrão-ouro na detecção da covid-19 pelas autoridades de saúde. O vereador Ivamberg, por exemplo, já foi vacinado e seu teste deu positivo esta semana. Já o vereador Pedro Américo contraiu a infecção em junho de 2020 e o teste também acusou o Sars-CoV-2.

A presidência da casa fez a testagem pelo Igg/Igm e algumas pessoas tiveram reagente positivo, o que significa que são pessoas que já tiveram covid e que têm anticorpos, mas está todo mundo bem, sem nenhum sintoma”, disse o vereador Jurandy Carvalho, que não está com a doença. Os testes sorológicos foram feitos na segunda-feira passada e o resultado saiu na terça. Já anteontem, os que deram positivo passaram pelo RT-PCR.

Estamos numa situação de alarme, porque o presidente ia realizar o exame toda segunda-feira e, na primeira vez que foi feito, nove vereadores deram reagente”, relatou o vereador Pedro Américo.

Os trabalhos ficarão comprometidos, porque de qualquer forma a gente atende às pessoas e isso acaba atrapalhando também a própria população, porque tem projetos importantes a serem votados”, lamenta Américo. Ele cita o PL encaminhado pelo prefeito Colbert Martins, que pretende dar descontos em impostos como IPTU e ISS, que deveria ter entrado na ordem do dia desta semana, mas foi adiado para a próxima.

A medida de testar os frequentadores da Câmara foi uma das implementadas pelo presidente Fernando Torres após o episódio de fevereiro. A casa ficou sem funcionar presencialmente entre 17 de fevereiro e 8 de março. Menos de um mês depois, novos casos apareceram.

Dentre outras providências tomadas desde esta data, estão a instalação de divisórias na bancada para isolar a área de cada vereador e o acesso também foi limitado: só entram na galeria os repórteres credenciados e, no plenário, vereadores e funcionários.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + dezoito =