Deputados baianos atribuem violência no estado a não convocação de policiais concursados

Em sessão realizada na AL-BA, na tarde desta terça-feira (12), uma das pautas levantadas pela oposição ao Governo da Bahia, foi a falta de segurança pública no estado. Em entrevista, o deputado Sandro Regis (DEM), atribuiu os índices de violência a falta de política estadual de segurança pública.

“Nossa preocupação maior no momento é a convocação dos concursados, só da Polícia Civil são 800. Sabemos da dificuldade que o estado vem enfrentando no combate à criminalidade. Eu acredito que se segurança pública fosse prioridade para o governador Rui Costa, já existiria uma solução pra chamar os concursados. Não é que eles irão resolver o problema da criminalidade, mas é um grande reforço para o combate a tal”.

“A Bahia lidera, é o estado mais violento, proporcionalmente do nosso país! Esse é um problema de governo, o governador tem que chamar esse problema para seu gabinete e resolver. O governador diz que não tem limite prudencial [quando o percentual de 95% do limite máximo de gastos com pessoal foi excedido], iremos solicitar uma audiência no TCM com Dr. Inaldo [presidente do Tribunal de Contas do Estado] e com a Procuradoria Geral da Bahia para saber o que ocorre, e de que forma a assembleia pode contribuir”.

Ainda segundo Regis, a não convocação dos policiais, é por “má vontade do governo de resolver os problemas”.

Deputado Adolfo Viana (PSDB)

Para o deputado Adolfo Viana (PSDB) a não nomeação dos policiais também influencia diretamente na segurança do estado: “Os números de violência no estado da Bahia são assustadores. Em apenas  três dias de feriado da Semana Santa, Salvador e Região Metropolitana registraram 19 homicídios…O que estamos cobrando do governo é justamente a nomeação desses policiais, pra melhoria na segurança”.

Os aprovados no concurso de 2013 para vagas de delegado, escrivão e investigador da Polícia Civil deveriam ser convocados logo após o carnaval, segundo garantiu, Rui Costa (PT), no dia 29 de janeiro, em entrevista coletiva concedida pelo governador em Vitória da Conquista, no sudoeste do estado.

Ainda durante a coletiva, Rui afirmou que esta convocação já estaria dentro da programação orçamentária. “Novos concursos, estes sim, estarão provavelmente suspensos”, concluiu. Em declaração recente a imprensa, o governador disse que não existe a menor possibilidade de nomear todos os aprovados nos últimos concursos da Polícia Civil e da Polícia Militar.

Apesar de ter afirmado que que tais nomeações ocorreriam assim que os aprovados concluíssem os respectivos cursos de formação, não foi possível fazê-las . Segundo o governador, o estado ultrapassou o limite prudencial de gastos com a folha de pessoal.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × cinco =