Polícia Comunitária chega a Delmiro Gouveia

O município de Delmiro Gouveia, no Sertão alagoano, será beneficiado com a implantação de uma base da Polícia Comunitária, que visa difundir a cultura de paz por meio da relação estreita entre a comunidade e os militares. O programa, fruto de uma parceria com o Programa de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), já foi implantado em Maceió e União dos Palmares.
Em Delmiro Gouveia, o policiamento comunitário será instalado com toda sua estrutura no bairro Ponto Chique, considerado um dos mais violentos do município.
Até agora, o Estado já implantou bases no complexo Benedito Bentes em duas localidades – Selma Bandeira e Cidade Sorriso II – além do Clima Bom. Na próxima semana, o bairro do Jacintinho será o próximo a receber uma base.
No interior do Estado, a cidade de União dos Palmares foi a primeira a ser contemplada dentro da política de interiorização do novo modelo de policiamento determinada pelo governo de Alagoas.
Todas as bases foram escolhidas pela Secretaria de Estado da Defesa Social (Seds), tendo como critério o alto índice de criminalidade nessas regiões. A Polícia Comunitária conta, também, com o apoio de outros programas também ligados ao Pronasci, como o Mulheres da Paz e o Protejo, este último voltado para retirar do mundo do tráfico de drogas centenas de jovens, oferecendo lazer e a possibilidade de desenvolver outras habilidades e até profissionalização.
“Fora um caso em que houve um atentado contra a vida, resultando em um homicídio ocorrido no Selma Bandeira, os índices de crime foram reduzidos a praticamente zero, o que significa uma vitória da vida, graças à forma como trabalha o policiamento comunitário, com foco no diálogo mútuo com os moradores”, destaca o major Antônio Casado, coordenador do Núcleo de Gerenciamento de Crises, Direitos Humanos e Polícia Comunitária da PM.
Os policiais selecionados para Delmiro Gouveia – assim com para as outras bases – foram capacitados com visão multidisciplinar em área como direitos humanos, psicologia e outras, assim como atuaram em projeto de atividade prática, com visitas à comunidade.
“Diferentemente do Selma Bandeira e em outras bases, em Delmiro Gouveia nosso trabalho terá um efetivo maior, ultrapassando o número de 20 integrantes, com oito policiais militares, mas com um apoio de 16 guardas municipais, fruto da parceria entre o Estado e a prefeitura da cidade”, informou Casado, ao acrescentar que os policiais estão em fase final do treinamento.
Ele esclarece que os guardas municipais não têm poder de polícia, mas darão intenso apoio aos policias militares durante as visitas realizadas na comunidade.
Normalmente, o trabalho de policiamento comunitário é realizado por 17 policiais — 16 cabos e soldados e um sargento —, do total de 25 militares que participaram do curso de promotor nacional de polícia comunitária.
Agreste também será contemplado
O sucesso do policiamento comunitário levou o secretário de Estado de Defesa Social, Paulo Rubim, a anunciar, recentemente, que a região do Agreste alagoano também está no projeto de ampliação das bases comunitárias, com os bons resultados na experiência da capital.
Recentemente, o governo do Estado aderiu ao convênio da Senasp, que garante a implantação de mais 43 bases em Alagoas, incluindo três municípios do interior.
O projeto contempla a implantação de bases comunitárias nos municípios de Arapiraca (seis), Palmeira dos Índios (duas) e Marechal Deodoro (uma), no prazo máximo de até quatro anos. As bases serão equipadas também com sistema de vídeomonitoramento.
Fonte: Agência Alagoas
Wellington Santos

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + 6 =

Veja também