Jejum de triunfos e gols sofridos ligam o sinal de alerta no tricolor

O sinal de alerta foi ligado no Fazendão. O que era empolgação na parte de cima da tabela, no sonho até por uma vaga na Copa Libertadores da América – discurso adotado por jogadores e comissão técnica -, começa a preocupar e se transformar em fuga da zona de rebaixamento. 

A derrota por 3×0 para o Corinthians foi a terceira nos últimos quatro jogos e deixou o tricolor em situação delicada no Brasileirão. Na 15ª colocação, o Esquadrão está a apenas um ponto do Sport, primeiro time dentro do Z4.  

“Uma realidade que a gente se encontra. Infelizmente, dos últimos quatro resultados, tivemos um resultado razoável, que foi o empate com o Coritiba fora. Acho que a gente fez um bom jogo lá”, disse o técnico Jorginho. 
Coincidência ou não, a fase ruim acontece em um momento de mudanças no sistema defensivo. Edson e Lucas Fonseca desfalcaram o time nos dois últimos jogos e a defesa tricolor foi vazada sete vezes, uma a mais do que havia sido na soma das outras sete partidas. 

Diante do Flamengo, mais problemas para Jorginho. Enquanto Edson continua fora por uma lesão no joelho, Renê Jr., suspenso, não poderá entrar em campo. Lucas Fonseca, tem boa chance de reaparecer no time.  

“São dois jogadores que dão uma consistência forte na equipe. Não podemos culpar nenhum jogador que entrou. A culpa é sempre minha, como treinador. O Lucas (Fonseca) já está em uma situação melhor, o Edson vai ficar ainda um pouco mais de tempo. É sempre bom quando a gente consegue contar com todos os jogadores, o entrosamento é maior”, explica o treindor.  

Retrospecto 
Sem gordura para queimar, o tricolor se apega ao retrospecto para reencontrar o caminho dos triunfos. Os três próximos jogos da equipe serão em Salvador (Flamengo, Vitória e Fluminense). Jogando na capital baiana, o Esquadrão conquistou nove dos dez pontos que possui.  Diretor de futebol, Diego Cerri minimiza a situação da equipe e pede confiança no elenco. 

“Agora temos que manter o equilíbrio. Há algumas rodadas, quando estávamos em sexto, tinha uma expectativa grande, uma euforia. Não é o caso, mas também não é achar que estamos no fundo do poço. É um campeonato difícil, mas temos condições de nos recuperar”, disse.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × cinco =

Veja também