Africanos mantêm domínio, vencem a São Silvestre, e jejum brasileiro segue

Cerca de 30 mil pessoas de 42 países correram a 91ª edição da tradicionalíssima São Silvestre por ruas e avenidas de São Paulo, na manhã desta quinta-feira, último dia de 2015. Completar a prova festiva de 15km já é uma grande alegria para a maioria delas, mas são os africanos quem têm mais uma vez os maiores motivos para celebrar. Campeão da Maratona de Nova York deste ano, o queniano Stanley Biwott venceu a disputa masculina, com o tempo de 44min32s, e aumentou o jejum brasileiro que perdura desde 2010. Giovani dos Santos ficou com a quinta colocação. Dentre as mulheres, a seca nacional é ainda maior. Com o segundo triunfo seguido da etíope Ymer Ayalew, que fez o tempo de 54mins01, o jejum brasuca vai completar dez anos em 2016 – dentre as brasileiras, Sueli Pereira ficou com a quarta colocação e Joziane Cardoso foi a quinta.
 
É realmente uma tarefa dura conseguir correr os 15 mil metros no mesmo ritmo de quenianos e etíopes. As longas pernas do atletas dos países da África parecem motores fabricados para deixar o asfalto para trás o mais rápido possível. Quinto colocado no ano passado, Giovani dos Santos aproveitou a temperatura confortável de 24 graus e conseguiu ficar no pelotão de elite. Porém, antes mesmo de ser completada metade da corrida, a feição do mineiro de 33 anos já indicava o quão duro seria lutar pela primeira vitória brasileira desde que Marílson dos Santos conquistou o tricampeonato, há seis edições.
 
Na subida da rua Brigadeiro Luís Antônio, os africanos dispararam e a disputa ficou restrita a eles. Stanley Biwott deixou claro que vive o melhor ano da sua carreira e acabou cruzando a linha de chegada em primeiro lugar. Agora, ele pode se gabar que é campeão em duas das maiores cidades do mundo: Nova York e São Paulo.
 
Dentre as mulheres, a brasileira Roselaine de Souza Ramos liderou a prova até pouco depois do fim da Avenida Pacaembu, cerca de 3km do percurso. Depois, ela ficou para trás e um pelotão de nove atletas passou a ditar o ritmo. Eram seis africanas, as brasileiras Joziane Cardoso e Sueli Pereira, além de uma peruana. 
 
A briga seguiu intensa até a metade da dura subida da rua Brigadeiro Luís Antônio. A partir daí, a etíope Ayalew, a queniana Delvine Meringor e Failuna Matanga, da Tanzânia, descolaram do grupo e protagonizaram a disputa pela vitória. Acabou dando o bi de Ymer Ayalew, que vibrou muito ao cruzar a linha de chegada, na mesma avenida Paulista da largada, em primeiro lugar pelo segundo ano consecutivo.
 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + catorze =

Veja também