Joel ganha ‘boa sorte’ de Zico, sai em defesa de R10 e exalta Vagner Love

Pouco antes da sua estreia na vitória apertada por 1 a 0 sobre o Madureira, Joel Santana recebeu uma ligação de Zico na tarde desta quinta-feira. O ídolo rubro-negro deixou de lado os problemas com a presidente Patricia Amorim para desejar “boa sorte” na caminhada do novo treinador.

– Por mais que esteja há 30 anos nessa profissão, tudo que envolve estreia mexe. Algumas pessoas influentes me telefonaram para desejar felicidade, boa estreia. Um foi o Zico, que me ligou no final da tarde, quando eu estava indo para preleção. Ele disse “boa sorte”, que tudo corra bem, você é um cara que tem a cara do nosso clube. Fico feliz, ele é maior ídolo do clube. Você sente um friozinho na barriga – revelou Joel Santana.

Para evitar tropeços pelo caminho, além de exaltar o ídolo do passado, o técnico também tratou de cuidar do presente. Defendeu Ronaldinho Gaúcho e elogiou Vagner Love, que estreia neste domingo, contra o Nova Iguaçu, em Macaé.

– É um jogador (Love) esperado por todos. Ele mostrou para o torcedor, para a opinião pública o prazer de vestir o nosso manto, nossa bandeira. É um jogador que tem identificação. Vai ser um bem em todos os aspectos, pelo jogador que ele é, pelo que representa, o amor e carinho e a paixão que demonstrou quando foi apresentado. Vai nos ajudar, com certeza, vamos melhorar nosso potencial de ataque, nem precisamos tecer elogios. Chegou muito humilde, trabalhando, querendo jogar – disse o treinador.   Desde que foi apresentado no clube, na segunda-feira, Joel tem como uma de suas missões dar carinho para Ronaldinho Gaúcho. O camisa 10 desperdiçou um pênalti contra o Madureira, quando isolou a bola por cima do travessão. Mas foi perdoado.

– Quem não gosta de carinho? Imagina você chegar em casa esperando aquela comidinha gostosa na mesa e só ter um pedaço de pizza dura na geladeira?! O Ronaldo é notícia. Mas ele se predispôs a concentrar, estava com uma conjuntivite danada, mas queria jogar. Ali no campo eu falei “vamos lá, faltam três minutos”. Ele veio ajudar a marcar, o que não é sua função, mas ele veio dar a contribuição. Nós precisamos dele, o grupo o ajuda, ele ajuda o time. O craque pode ganhar dois, três ou quatro jogos, mas o grupo é que ganha o campeonato – filosofou Joel, citando uma frase do futebol.

Além de tratar com carinho os astros do ataque, Joel quer mais calma com os “rapazes que não são ruins” da zaga, ainda invicta no Estadual.

– Nossos zagueiros têm que ter um pouco mais de calma, pois time bom é o que não leva gol Vamos ter calma, corrigir. Os rapazes (David Braz e Welinton) não são ruins, precisam de um pouco de orientação. Quando estavam com a bola ficavam apavorados. Tem que sair com a bola nos pés. Mas não foram mal, não.

Fonte: Globoesporte

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 4 =

Veja também