Solenidade de Corpus Christi em Paulo Afonso tem tapetes, procissão e show de Antônio Cardoso

Nesta quinta-feira (26), os católicos ao redor do mundo celebraram a Solenidade de Corpus Christi. Aqui em Paulo Afonso, a santa missa aconteceu na Catedral Nossa Senhora de Fátima, presidida por Pe. Roni e concelebrada pelos padres: João Batista, Gilmar e Adriano (Perpétuo Socorro), Luís Tibúrcio (Centenário) e Pe. Celso (São Francisco).

Depois da missa a procissão: “O Corpo de Cristo como expressão pública da nossa fé. O Cristo Eucarístico que vai percorrer as ruas da nossa cidade, estendendo para as famílias e pessoas a proteção e as bênçãos divinas”, disse Pe. Roni.

Durante o percurso desta que é a caminhada mais longa entre as procissões – pois passa necessariamente pelas três paróquias do centro, nenhuma pessoa que ali estava, seja qual for a sua dor, alegria ou desilusão, sentiu-se sozinha. Não porque partilhavam de uma multidão, mas pela certeza que Cristo é tudo.

As pessoas – muitos casais, crianças, jovens – muitos jovens – idosos, redesenharam a geografia de uma cidade, com cantos e orações.

“/Cristo amigo/ tu és minha vida/ és a força e a razão do meu ser…”

O Sermão da Montanha

“O povo tem um ditado popular: o pouco com Deus é muito, e o muito sem Deus é nada”, Pe. Roni explicou que a Solenidade de Corpus Christi nos obriga a não parar somente no sentido teológico, mas usar o que aprendemos na liturgia na vida cotidiana.

“Nós não podemos ficar ligados às regras da Igreja, ou aos momentos litúrgicos, por mais bonitos que sejam, precisamos com eles aprender a repartir o pão. No Evangelho está escrito: todos comeram e ficaram satisfeitos. Quando nós aprendemos a repartir diminuímos as desigualdades”, explicou.

O desperdício

“Desperdiçamos tanto no Brasil, e ainda temos 19 milhões de pessoas que poderiam comer esse alimento, não falo da África somente, aqui em nosso país também temos tantos que não fazem as três refeições por dia. Não desperdicemos nada. Nem o alimento que é um pecado grande, nem a água, nem a energia, vamos aprender com esse Evangelho a evitar o desperdício”, pediu.

A importância das cestas básicas que as igrejas doam

Pe. Roni contou aos fiéis que durante o novenário, foi abordado por uma senhora que lhe pediu ajuda.

“Pensei se poria a roupa mais velha ou a mais nova?, pus a mais nova. E apesar da vergonha que tenho, vim lhe pedir ajuda. Estamos desempregados e com fome”.

Esta é uma de tantas histórias tristes que sabemos existir na nossa cidade. Embora, que o digam as igrejas, os pauloafonsinos são solidários. Na ocasião, havia muitas doações por ocasião da festa de Nossa Senhora.

Tanto nas paróquias de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, como na de São Francisco, foram momentos fortes: os padres pediram as bênçãos sobre seus fiéis, rezaram e  Pe, Celso distribuiu pãezinhos.  

Para terminar a noite o show de Antônio Cardoso, tantas vezes confundido com padre, cantou as canções de Pe. Zezinho, sertanejo, contou histórias, brincou com o público e rezou. Depois de toda trajetória, terminado tudo, algumas pessoas ainda ficam:

“/Só me anima/ a doce esperança/ de um dia na glória/ te ver…”

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + onze =